Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Tangas Lésbicas

lésbicas de tanga na tanga - em busca do seu passo doble perfeito - desfiando as linhas que cosem as tangas - que nos devolvem envolvem - pingas que tingem a linha da tanga - todas as tangas são iguais - mas estas são as melhores - tangas lésbicas

Tangas Lésbicas

lésbicas de tanga na tanga - em busca do seu passo doble perfeito - desfiando as linhas que cosem as tangas - que nos devolvem envolvem - pingas que tingem a linha da tanga - todas as tangas são iguais - mas estas são as melhores - tangas lésbicas

resoluções de ano novo

 
- Ouvi dizer que tem para aí uma lista de resoluções para este ano.
- E ouviu bem.
- Posso continuar a ouvir?
- Como?
- Assim tipo: a menina conta-mas e eu escuso de andar por aí à coca a ver se descubro o papelinho em que as anotou para coscuvilhar as suas intenções.
- A menina tem uma lata...
- Vá lá, diga lá o que resolveu.
- Muito bem. Se quer que lhe diga, cá vai.
- Sou toda ouvidos.
- Em primeiro lugar está, claro, a dieta que se seque à comezaina do Natal e da festa de fim de ano.
- Muito bem. A esse respeito, eu passo. Não se importa, pois não?
- Desde que depois não venha aborrecer-me porque a roupa não lhe serve...
- Muito bem. Adiante, adiante.
- Em segundo lugar, tenho de trocar de carro que esta coisa de andar de jipe já começa a cansar-me.
- Pois é... Está ultrapassada essa coisa da lésbica equipada com tracção às quatro rodas...
- Não seja sarcástica, porque não a vejo queixar-se quando anda comigo.
- Isso é verdade, especialmente de inverno, que já me custa um horror andar de mota com as
temperaturas que têm estado.
- Não acha que ultrapassada está essa sua mania 'dike on bike'?
- Ultrapassada? Por quem?
- Pela sua idade. Pelo fim da flower power generation há que séculos.
- Não diga disparates. Eu gosto de clássicos: bike on dike sim, sobretudo na minha HD.
- Pronto, pronto. Posso continuar?
- Continue, que estou a gostar.
- Também vou mudar o estúdio para mais perto de casa. Começo já amanhã a ver o que há por aí.
- Mais perto de casa? Quão perto de casa?
- Tão perto quanto possa vir almoçar a casa, por exemplo.
- Almoçar em casa? A que propósito? Quer arruinar definitivamente toda e qualquer possibilidade que eu tenha de dar uma ou outra escapadela?
- Lá está a menina com os seus dramas. Vou mudar o sítio do atelier e está decidido. Estou farta de passar horas no trânsito para ir trabalhar e depois para vir para casa.
- Bem, há sempre a hipótese de escolher alguém com casa própria e desabitada à hora do almoço...
- Quem a ouça vai julgar que anda para aí numa vida desgraçada.
- E ando. Sem um único affair digno de nota.
- Eu dou-lhe a nota...
- Pronto. Mais resoluções?
- Outra resolução importante é não a deixar dizer nem escrever mais parvoíces do que o humanamente aceitável.
- Vou enfrentar a censura?
- Não.Só que a minha mãe deu com o Tangas e desconfiou que fosse a menina.
- Ai a sogrinha anda a ler textos ímpios à hora do chá?
- Já sabe que ela lê e vê tudo. E agora anda com a mania que a menina está sempre a escrever sobre nós. Anda a sondar-me e eu não estou para isso.
- Ah... Então quer censurar-me porque a sua mãe lê o blogue? Não lhe ocorreu explicar-lhe que a escrita não tem de ser propriamente autobiográfica e que a ficção lhe dá imensa graça?
- Não quero censurar absolutamente nada. Estou só a pedir-lhe que tenha cuidado. estou cheia de ouvir piadinhas das amigas e agora da minha mãe.
- Hum... Até estou contente por me ter falado nisso.
- Está?!
- Estou, a sério. Até acabei de tomar a minha resolução de ano novo e tudo.
- Hum... E qual é?
- Vou passar o ano de 2007 a escrever o que me der na realíssima gana e a eliminar dos meus escritos toda e qualquer inibição em relação aos tabus dos outros.
- Não se lhe pode dizer nada, pois não?
- Nada que me ofenda, não. Já tenho de lidar com todo o tipo de susceptibilidades das primas menos convictas, mais as fragilidades da nossa aparente 'legalidade'. Só me faltava agora era a peneira da sogra que confunde a ficção com a realidade. Qualquer dia aparece um casal de lésbicas na telenovela e ela julga que fui eu que as pus lá de propósito...
- Lá está a menina a trepar de tom, como se a tivessem eleito a senhora vítima do ano.
- Vítima não. Nenhuma lésbica é vítima. Por definição, uma lésbica é culpada, visto que ninguém a mandou ser como é.
- A menina é impossível! Já transformou esta conversa numa discussão de direitos das lésbicas.
- Direitos inalienáveis, não se esqueça.
- Só lhe pedi alguma moderação, credo.
- Não senhora. O que a menina me pediu foi para não escrever o que tenho vontade de escrever, porque posso incomodar a sua mãe. E o que eu acho é que a sua mãe já é crescidinha e sobrevive com certeza a uma historinhas debitadas num blogue. E também acho que a menina já me conhece e sabe que um pedido desses só pode dar mau resultado.
- Já percebi. Podemos esquecer esta parte da conversa e começar do princípio com as nossas
resoluções de ano novo?
- Depende.
- Depende de quê?
- Do que a menina tiver para a troca...

6 comentários

  • Imagem de perfil

    Tangas 03.01.2007 21:21

    vovó está varada...

    mas vamos por partes: a mim parece-me que a ana zanatti tem montes de kultura lésbica. e não é só a mim que parece, uma vez que foi convidada para presidir ao juri do ultimo festival de cinema gay e lésbico de lisboa. sendo a gente do festival de inegável kultura lgbt, acho que está respondida essa questão.

    a milhagem não é tão importante como o uso de alguma massa cinzenta, devo dizer. estando em portugal é claro que há sempre a tentação de ir para o centro comercial em vez de ficar a aboborar textos pró tangas. mas o vício das teclas é enorme...

    no entanto, só estando em portugal se põem algumas das questões aqui tratadas entre tangas, não acha?

    não faz é a menina ideia das vezes que me confundem a vida com as tangas. mas, também, no outro dia, estava numa loja em que havia uma televisão a transmitir a escrava isaura (nova versão) e a senhora que me atendia, com ar embevecido, disse-me que adorava aquilo, que era mesmo assim a vida real... é claro que nem tive lata de lhe lembrar o século em que estamos e o século em que supostamente viveu a isaurinha. mas, como vê, é igual ao litro.

    quanto à vossa 'private joke', fica registada, com todo o carinho.
  • Sem imagem de perfil

    unbloged 03.01.2007 21:46

    Desacordo quanto:

    - Ana Zanatti - não é por ser convidada para o júri que referiu que ficou lesbikamente kulta. Estive lá, na inauguração do festival - uns convites, sabe como é - e a "diva" estava divinal mas continua a não conseguir sair do armário nem com o Miguel Vale de almeida a fazer de "saca-rolhas". A AZ presidiu mas qualquer outra senhora bem vestida, elegante e discreta poderia ter estado no lugar dela que não se notaria a diferença - acredite em mim, please!

    - Milhagem - não me interprete mal, estava a elogiá-la. O que quis dizer, tão só, até hoje só conheci uma pessoa com o conhecimento que a menina revela sobre "coisas" lésbicas. Mas a menina não é essa pessoa, simplesmente porque ela morreria se fosse vóvó 8-)

    Agora, não zangue comigo, por favor, lhe peço, imploro, beijarei seu chão, etc, etc...

  • Imagem de perfil

    Tangas 04.01.2007 10:32

    hum... as pessoas são kultas, lesbikamente ou não, independetemente do que nos parecem. ou até mesmo do que às vezes é a nossa kultura. certo?

    uma anti-vovó lesbikamente kulta? é um tema a explorar, definitivamente.

    quanto aos beijos no chão, não sei o que pensar... talvez lhe mande uma embalagem familiar de betadine, não vá a menina apanhar alguma bactéria esquisita com essa manifestação :)
  • Sem imagem de perfil

    unbloged 04.01.2007 13:34

    Desisto! Sou alérgica ao iodo.

  • Imagem de perfil

    Tangas 04.01.2007 13:59

    mas não ao master yoda, espero...
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.