Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Tangas Lésbicas

lésbicas de tanga na tanga - em busca do seu passo doble perfeito - desfiando as linhas que cosem as tangas - que nos devolvem envolvem - pingas que tingem a linha da tanga - todas as tangas são iguais - mas estas são as melhores - tangas lésbicas

Tangas Lésbicas

lésbicas de tanga na tanga - em busca do seu passo doble perfeito - desfiando as linhas que cosem as tangas - que nos devolvem envolvem - pingas que tingem a linha da tanga - todas as tangas são iguais - mas estas são as melhores - tangas lésbicas

ainda a propósito de casamentos

noivas1.gif


- Ó menina, isto não é nenhum filme de amor às carradas, com dois angelicais adolescentes num prado salpicado de flores, a correr um ao encontro do outro ao som da banda sonora do Love Story, valham-me os céus!
- Ó querida, pois não, não é. Mas não me venha agora dizer que quando eu lhe ofereci o seu bouquet, a olhei nos olhos e lhe disse que a amaria para o resto das nossas vidas, a menina não se emocionou e até lhe veio a lagrimita ao olho...
- Já estava com os copos, querida, meia garrafinha de JB, menina, foi o que foi.
- O quê?! Não me diga que estava bêbada no dia do nosso casamento...
- Não, nada disso. Alegre, menina, alegre. A bebedeira veio depois.
- Ai... Então foi por isso que lhe deu o ataque de choro?
- Claro que foi. Acha que eu ia derreter-me toda com aquilo, eu que estava a abafar naquele vestidinho às camadas em pleno verão à torreira do Sol? Nem sei como é que não apanhei uma insolação.
- Ai, querida, que coisa horrível de se dizer... E as juras, as promessas tão lindas que fez com os seus votos?
- O quê? Aquela coisa de 'meu amor para sempre', 'minha metade da laranja' e 'vou encher-te de ternura e poesia'?
- Isso mesmo.
- Pois isso foi antes - muito antes - de perceber que a menina tencionava realmente passar a vida atrás de mim com as suas frases açucaradas e os seus beijos descontrolados.
- O quê? Está a queixar-se dos meus mimos? Depois de dezoito anos de fidelidade e apego, de carinho e consideração?
- Aos dezoito anos passa-se para a maioridade. Emancipei-me, aí tem!
- Não pode estar a falar a sério...
- Estou sim, muito a sério. Agora chegue-se para lá que assim não consigo ler as legendas na televisão.
- Já que fala nisso...
- Ai! Que foi isso?! Que disparate é este? Acha que é saudável cair da cama?
- Não é uma questão de saúde, querida...
- Então o que é, posso saber?
- Emancipação, meu amor. Acabo de me emancipar na cama. Vá para o sofá!
- Ó, meu amor, não me diga que levou tudo a sério...
- Qual amor, qual carapuça! Acabaram-se as frases açucaradas. Para o sofá, já, antes que eu o emancipe também!
- Mas... Ó amor...
- Não há mas, nem meio mas. E livre-se de se tapar com a manta que usámos na nossa lua de mel, que essa também se emancipou.

19 comentários

Comentar post

Pág. 1/2