Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Tangas Lésbicas

lésbicas de tanga na tanga - em busca do seu passo doble perfeito - desfiando as linhas que cosem as tangas - que nos devolvem envolvem - pingas que tingem a linha da tanga - todas as tangas são iguais - mas estas são as melhores - tangas lésbicas

Tangas Lésbicas

lésbicas de tanga na tanga - em busca do seu passo doble perfeito - desfiando as linhas que cosem as tangas - que nos devolvem envolvem - pingas que tingem a linha da tanga - todas as tangas são iguais - mas estas são as melhores - tangas lésbicas

coisas de bonecas

- Diga-me lá uma coisa: a menina também é daquelas que nunca gostou de brincar com bonecas quando era mais nova?
- Eu?! Pelo contrário... Adorava tudo o que era boneca. Como é que a menina acha que eu arranjava pretextos para brincar com as minhas amiguinhas?
- Hum... Ora aí está um caso de agudíssima consciência lésbica desde os mais tenros anos.
- E a menina? Também brincava?
- Não. Eu era mais comodista. Emprestava as minhas bonecas às minhas amiguinhas e fazia um tremendo sucesso. Era muito popular.
- Calculo...
- Elas escolhiam-me sempre para fazer de papá. Não sei como é que as crianças se arranjam para saber sempre quem é o quê, sem que ninguém lhes diga absolutamente nada.
- Creio que sabemos tudo antes de começar a ser obrigadas a esquecer determinadas coisas por força das convenções.
- Hum... Pois é.
- Uma vez uma das minhas amigas achou que as nossas bonecas deviam fazer a sesta. Eu achei uma óptima ideia, até ela pôr a boneca dela por cima da minha.
- Então?!?
- Deu-me um ataque de pudor e fugi.
- Oh...
- Nunca mais brinquei com ela.
- A sério?
- A sério. Ainda me levou algum tempo a sentir-me confortável com a memória desse episódio.
- Já estava contaminada pelas convenções e não fazia a mais pequena ideia.
- Qualquer coisa desse género. Sabe que a vi muitos anos depois?
- E?
- Foi ela que me reconheceu e veio ter comigo. Tive de fazer um esforço para não fugir dela outra vez.
- Que giro... Um amor de infância por resolver.
- Não tem nada de giro. Ainda por cima ela tornou-se numa mulher interessantíssima.
- Mau... Isso já não tem nada que ver com bonecas.
- Não seja tola. Aposto que ela nem se lembra dessa história.
- Pelo sim, pelo não, veja lá se fecha essa gaveta antes que me dê um ataque de ciúmes.
- Ciúmes? A menina? Nunca vi coisa mais despreocupada do que a menina...
- Não se fie. Ninguém tem ciúmes até ter razão para ter.
- Concordo. Mas por via das dúvidas, deixe-me fazer-lhe uma perguntinha.
- Diga...
- Vamos pôr a nossas bonequinhas a fazer a sesta juntas?

7 comentários

Comentar post