Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tangas Lésbicas

lésbicas de tanga na tanga - em busca do seu passo doble perfeito - desfiando as linhas que cosem as tangas - que nos devolvem envolvem - pingas que tingem a linha da tanga - todas as tangas são iguais - mas estas são as melhores - tangas lésbicas

Tangas Lésbicas

lésbicas de tanga na tanga - em busca do seu passo doble perfeito - desfiando as linhas que cosem as tangas - que nos devolvem envolvem - pingas que tingem a linha da tanga - todas as tangas são iguais - mas estas são as melhores - tangas lésbicas

Questão muito importante:

calcinhas1.gif


Entre outras questões muito importantes, a das calcinhas é um clássico entre as primas. Uma vez contaram-me uma conversa mais ou menos assim:
- Olha lá, tens de andar sempre de sloggis?
- Tenho. Só gosto de roupa interior branca.
- Dás-te conta que isso pode ser sintoma de fobia aos germes?
- Fobia ao quê?!?
- Aos germes, micróbios. Tipo mania obsessiva?
- Não sei do que é que estás a falar…
- Bem me parecia.
- O que me parece a mim é que é bem melhor a minha roupa interior discreta que os teus boxers com motivos estampados e…
- Eh, eh… Espera aí! Não quero discutir os meus boxers.
- Então não tentes discutir a minha roupa interior branca…
- Está bem, está bem. Mas podemos discutir a roupa interior da Angelina Jolie?
- Como, se ela disse numa entrevista que não usa?
- Ora aí está!
- Mas está o quê?
- Eu queria dizer estamos…
- E estamos onde, posso saber?
- Sem roupa interior, claro.
- Isso é porque estamos na cama.
- Exactamente. Vês onde quero chegar?
- Aos micróbios, calculo.
- Que micróbios, mulher!?
- Aqueles de que falaste.
- Isso era noutro contexto.
- Não era não. Era o da roupa interior, que bem me lembro.
- Mas agora não temos roupa, se é que me entendes…
- Entendo que queres pegar comigo por causa das sloggis. E entendo que me devo virar para o outro lado e dormir.
- Não era nada disso…
- Shhhhh…


Se quiserem dizer-me o que usam, dir-vos-ei quem sois...

Sondando o G:

Ponto-G.gif


Deixem-me dizer-lhes que a minha curiosidade antropológica faz-me tropeçar de vez em quando com umas pérolas incontornáveis. Ora aí está ela: os ditos e ouvidos sobre o ponto G.
Confesso que nunca foi tema que me enchesse as medidas mas, desde que percebi que as barbies e as tias se pelam por discutir o sexo dos anjos... ai, do G, não perco uma oportunidade de explorar os limites do prazer - ai, cá estou eu de novo... Do G, claro.
Então é assim: uma sondagem que se preze deve contemplar os mais diversos universos, o que foi o caso desta.
Tirando os homens e mulheres que, pura e simplesmente, responderam "Hã?" e seguiram caminho humilhados e ofendidos por julgarem que estávamos a gozar com eles, tivémos a grata surpresa de deparar com uma ilustrada opinião de uma trabalhadora anónima que nos respondeu com toda a simplicidade que ponto só o de açúcar, mas que era complicado para ela, que andava sempre à pressa a aviar o comer para os filhos e marido.
Já entre as nossas amigas lésbicas, as opiniões vão de doutamente ilustradas à desconfiança pura e simples, não vá a gente estar a querer saber de mais e a vida delas é só com elas, ponto final.
A resposta de uma ousada lésbica urbana encantou-nos: confessou que se divertia horrores a desenhar um 'G' com o baton em várias partes (púdicas e impúdicas) das suas conquistas e que isso lhe garantia um universo de prazer supinamente gratificante - onde quer que desenhasse o dito G o GOZO era total.
A maioria dos homens entrevistados respondeu simplesmente que o importante era o pénis, a erecção, o facto de serem homens. O que nos levou a concluir que o Ponto G das mulheres se encontra enterrado algures entre a massa muscular, as camadas de gordura, pele e ossos do corpo masculino...
Deixo-vos a sondagem neste ponto e uma singela pergunta: onde anda o G afinal?

'Maple Palm' - história de separação

imigracao1.gif


(veja o trailer)


Nos Estados Unidos, todos os anos milhares de casais bi-nacionais do mesmo sexo são forçados a separar-se ou a fugir do país para poderem viver juntos noutro país que apoie a imigração de casais do mesmo sexo. Neste momentos, apenas 16 países reconhecem casais do mesmo sexo para efeitos de imigração. Os Estados Unidos não fazem parte desse grupo.


'Maple Palm' é uma intensa produção independente que acaba de ser apresentada no Sundance Festival e que expõe as agruras vividas por duas lésbicas, uma delas norte-americana e apaixonada por uma imigrante.


O realizador de 'Maple Palm' mostra a sua perplexidade pela falta de apoio da Califórnia à lei sobre os casamentos de pessoas do mesmo sexo nessas circunstâncias, personificada pelo imigrante de primeira geração e actual governador do Estado, Arnold Schwarzenegger.

Ai as férias...

ferias3.gif


Eu sei que me pediram respostas às cinco de cada vez. E vou deixá-las aqui, antes de me pisgar para o Sul e para a praia. Espero que estejam de acordo comigo:

Cinco mulheres que me tiram do sério:
- Margaret Tatcher
- Laura Bush
- Maria Barroso
- Maria José Nogueira Pinto
- Leonor Beleza

Gosto especialmente de:
- Minha namorada
- Mulheres giras (tu és a mais gira, meu amor...)
- Música para namorar mulheres giras
- Paisagens e recantos idílicos para levar mulheres giras
- Mulheres giras a olhar para mim...

Os cinco melhores álbuns para oferecer a uma mulher gira:
- Essence (Lucinda Williams)
- Black Ivory Soul (Anjeline Kidjo)
- Dans Ma Chair (Patricia Kaas)
- Fica Comigo Esta Noite (Simone)
- Acústico (Adriana Calcanhoto)

Cinco canções para cantar ao ouvido de uma mulher gira:
- Rien Ne S'Arrete (P Kaas)
- Baby One More Time (B Spears)
- A Thing About You (Roxette)
- No Escurinho do Cinema (Rita Lee)
- Wings (B Tyler)

Cinco coisas que me vêm à cabeça:
- O teu olhar
- O teu sorriso
- A tua gargalhada
- O teu cheiro
- O teu toque