Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Tangas Lésbicas

lésbicas de tanga na tanga - em busca do seu passo doble perfeito - desfiando as linhas que cosem as tangas - que nos devolvem envolvem - pingas que tingem a linha da tanga - todas as tangas são iguais - mas estas são as melhores - tangas lésbicas

Tangas Lésbicas

lésbicas de tanga na tanga - em busca do seu passo doble perfeito - desfiando as linhas que cosem as tangas - que nos devolvem envolvem - pingas que tingem a linha da tanga - todas as tangas são iguais - mas estas são as melhores - tangas lésbicas

Ele há mais 'Ls' no mundo, gente!


- Vão passar outra vez o 'L-Word'?!?...
- Veja lá a menina. É para que saiba.
- Os mesmos episódios?
- Os mesmíssimos. Os que já vimos várias vezes na Fox e na 2.
- Tem a certeza?
- Ó menina! Se lhe estou a dizer...
- Olhe, se eu achava graça à série, agora começo a odiá-la.
- Tem ali os comprimidos para o enjoo, no armário da casa de banho, se quiser.
- O que eu quero é saber se a 2 tem alguém com quem se possa falar para os impedir de enjoar a comunidade lésbica inteira.
- Lá está a menina com as suas coisas... O que é que isso ia adiantar? Mesmo que houvesse e pondo a hipótese de a menina chegar até essa pessoa, o que é que isso ia alterar?
- Dizia-lhe que já enjoa, pronto. Que se fizéssemos parte de outros quaisquer dez por cento minoritários, já tinham encomendado uma nova série.
- Ora, ora... A menina bem sabe que, nessas alturas, nos embrulham em simpatia e discursos politicamente correctos e nos mandam para casa coser meias ou lá o que for preciso para terem a certeza de que não saímos do nosso canto.
- Isso das meias não sei. Nunca soube. Mas que a gente tem de se mexer, lá isso tem. Aqui sentadas é que não nos cai nada no colo.
- E o que é que a menina quer que lhe caia no colo? A cabeleireira da 'L-Word'?
- Não diga disparates, que isto é um assunto sério. Acho que se pode falar de discriminação selectiva neste caso.
- Discriminação o quê?!?
- Selectiva. Seleccionaram o 'L-Word' para nos enjoar até ao desespero.
- Tipo mensagem subliminar de cabeleireiras a dar uma de carismáticas?
- Começo a desconfiar que a menina tem alguma coisa contra as cabeleireiras...
- Eu?!? Pelo amor da Santa!
- Não foi a menina que andou com uma cabeleireira há um século e meio?
- Foi há vinte anos e escusa de fazer insinuações torpes sobre outra idade que não a sua.
- Vinte ou cem, qual é a diferença? Não era nessa altura que havia imensas cabeleireiras lésbicas?
- Era quase uma espécie de moda, lá isso era.
- Então é isso! Não está a ver?
- O quê? O quê?
- Estão a tentar associar-nos à classe das cabeleireiras. É isso! Mais um estigma para a comunidade. Era o que nos faltava!
- O que nos faltava era a menina a inventar mais estigmas e associações imbecis do que já existem.
- Não está a ver que é uma conspiração subtil, uma manipulação insidiosa através de uma série que é, supostamente, o último grito da afirmação positiva do lesbianismo pós-moderno?
- Hã?!?
- É o que ouviu. Vou já escrever um email de alerta e enviá-lo a todas as associações de género portuguesas. Acha que deva incluir as espanholas?
- Acho que a louça está na máquina há dois dias à espera que lhe dê uma inspiração dessas para a arrancar do sofá e do poder hipnótico da televisão.
- O problema não é a televisão sabe?
- Não?
- Não. É mais o sofá. Sente-se lá aqui para eu lhe explicar melhor, com palavras doces ao ouvido...

5 comentários

Comentar post